Sites responsivos: go mobile ou go home!

Desde que o Google anunciou que começaria a priorizar sites mobile-friendly nos resultados de busca, em Abril deste ano, vários especialistas no assunto reforçaram os alertas para quem ainda não estava a dar a importância devida à qualidade da experiência proporcionada aos utilizadores de aparelhos móveis. Christopher Smith, na sua coluna na MyDigitalHand, foi um deles. Tracy Pratt fez o mesmo num texto publicado no FusionFarm.
A principal razão, obviamente, é que a mudança no algoritmo do Google – a maior dos últimos cinco anos, maior inclusive do que os upgrades de Penguin e Panda, segundo os dois especialistas – impacta directa e exponencialmente o resultado das buscas orgânicas feitas no mobile e possivelmente até no desktop. Com isso, sites já optimizados para mobile obtêm melhores resultados e, por outro lado, os sites que não têm essa característica são penalizados, ficando no final do ranking ou, o que é pior, nem sequer aparecem nos resultados.
Para quem não quiser ficar para trás no ranking de busca, as principais recomendações são:
– elimine o uso de Flash;
– use fontes grandes o suficiente para serem lidas;
– não deixe pontos “clicáveis” muito perto uns dos outros;
– evite sites do tipo “.mobi” já que isso significa que outro site e outro domínio precisarão ser optimizados. O melhor, segundo Smith, é concentrar todas as suas técnicas de optimização em um único domínio e direccionar todo o tráfego para o mesmo.
– invista em design responsivo, que ajusta o site ao tamanho da tela do utilizador, para desenvolver o seu site. Páginas alimentadas pelo WordPress podem usar vários plug-ins mobile como WPTouch ou Jetpack para se tornarem responsivas;
– teste o seu site. Para saber o quanto ele é responsivo, a dica de Smith é reduzir o tamanho da janela do seu browser e ver o que acontece.
No seu texto, ele traz alguns exemplos de sites responsivos, como Island Letting  e Sticky Fingers BBQ.
– certifique-se de que ferramentas de busca podem entender a configuração do seu site mobile. Com uma conta Webmaster Tools, você pode obter uma lista completa dos problemas de mobilidade móvel do seu site usando o Mobile Usability Report .
– mantenha páginas e activos rastreáveis. Segundo Pratt, se o Googlebot não conseguir aceder ao seu CSS, JavaScript ou imagens, pode não detectar que o seu site é mobile friendly.
– evite erros que possam frustrar os utilizadores móveis. Sites que oferecem uma má experiência podem desaparecer nos resultados de busca. Alguns problemas que costumam gerar esse tipo de frustração são conteúdo que não pode ser reproduzido, erros de redirecionamento, demora para carregamento da página etc.
 fonte: Innovation Insights | 31 Ago 2015